segunda-feira, 17 de dezembro de 2007

ctrl+c

Tá certo que é meio inabitável e enjoativo esse monte de curva branca. Mas é do velhinho moderno e ele faz 100 anos.

[Punkssauro e os corsários efêmeros]



Odeio quando ligam lá pro trabalho e começam assim:

- Bom dia, com quem eu falo?

Ah, saco. Como assim com quem você fala? Sei que a minha obrigação é responder. Mas dependendo do estado do meu humor (que geralmente oscila entre as categorias "levemente ruim", "ruim", "hoje tá ruim mesmo" e "TPM") isso me irrita, sabe? Porque não interessa com quem a pessoa está falando. Interessa o que ela quer (diz rápido, caralha, não faz suspense que se for pra mim vou querer saber logo qual é a pica voadora) porque aí vou resolver ou passar para o funcionário que deve atender. Tão mais simples.

[Vida Bizarra]



Afinal, e se a JK escrevesse usando o linguajar característico do Tropa de Elite?

(...)

O Voldemort era o cara que mandava nos Comensais da Morte. Eu sei como termina a história do Voldemort, mas não sei como começou. Ele deve ter tido uma infância fudida, virar praticante da arte das trevas pode ter sido a única opção. O que me fode é o sujeito que nasce com oportunidade e termina entrando nessa vida. Eu já disse isso antes, mas não custa repetir: pra mim, quem ajuda comensal é cúmplice, tem que ir pra Askaban.

[Pdbt]

Um comentário:

pudim disse...

Adorei a adaptação com linguagem Tropa de Elite! Genial!